BACKWARD | Escovou os dentes, mas por habito.


O título original era "Querida, onde você  colocou minhas cuecas?"

Numa linda manha de setembro, Jair acordou com um certo tesão.
Casado olhou sua linda e loira mulher que dormia o sono dos anjos.
Abriu sua leve blusa de apenas um botão, amaciou seu seios ao mesmo tempo que abaixava a única peça de roupa que envolvia seus quadris: A calcinha.
Seu pênis que pulsava como um coração de um baby assustado foi se projetando para fora do moletom. Foi quando ouviu a doce voz de Marineusa
- Ah não Jair, logo cedo? Que porra! Você não me da um pingo de sossego! É toda hora ! Parece até que casou ontem, para com isso! Bla blá blá blá blá blá...
E foi a manhã toda ouvido a reclamação só porque um homem casado queria transar com sua mulher.
-E vê se não me torra a paciência que hoje eu estou com dor de cabeça!
Na hora do almoço, por volta do meio-dia, Jair levantou-se da mesa para pegar alguma coisa apimentada na geladeira.
-Mô! Acabou a pimenta? - Peguntou Jair com uma melosa voz infantil
- Que merda Jair ! Será que eu tenho que saber de tudo nessa casa? Blá blá blá blá blá...
E foi a tarde toda com essa reclamação. Jair saiu para o bar para não ter que ouvi-la.
- E vê se me compra uma aspirina que eu to morrendo de dor de cabeça!
Tarde da noite, Jair chega um tanto embriagado toma banho e pendura a toalha, porque ele sabe que Marineusa não gosta de toalha molhada jogada no chão do banheiro. Pegou toda a roupa e colocou no cesto da área de serviço, porque ele sabia que Marineusa não gostava de roupa suja espalhada. Secou o chão do banheiro, porque ele sabia que Marineusa odiava que deixasse o chão molhado após o banho. Escovou os dentes, mas por habito. Deitou-se ao lado de sua linda e loira mulher. -Marineusa.
- Jair, Isso lá são horas de se chegar?
Antes que Marineusa proferisse seu noturnos palavrões, Jair a golpeou com o abajur que ganhou de sua mãe. Marineusa caiu na cama desacordada. O abajur quebrou se em seis assimétricos pedaços.
- Ela não gostava mesmo desse abajur.

31 de outubro de 2005
COMPARTILHAR:

+1

BACKWARD | Escovou os dentes, mas por habito.


O título original era "Querida, onde você  colocou minhas cuecas?"

Numa linda manha de setembro, Jair acordou com um certo tesão.
Casado olhou sua linda e loira mulher que dormia o sono dos anjos.
Abriu sua leve blusa de apenas um botão, amaciou seu seios ao mesmo tempo que abaixava a única peça de roupa que envolvia seus quadris: A calcinha.
Seu pênis que pulsava como um coração de um baby assustado foi se projetando para fora do moletom. Foi quando ouviu a doce voz de Marineusa
- Ah não Jair, logo cedo? Que porra! Você não me da um pingo de sossego! É toda hora ! Parece até que casou ontem, para com isso! Bla blá blá blá blá blá...
E foi a manhã toda ouvido a reclamação só porque um homem casado queria transar com sua mulher.
-E vê se não me torra a paciência que hoje eu estou com dor de cabeça!
Na hora do almoço, por volta do meio-dia, Jair levantou-se da mesa para pegar alguma coisa apimentada na geladeira.
-Mô! Acabou a pimenta? - Peguntou Jair com uma melosa voz infantil
- Que merda Jair ! Será que eu tenho que saber de tudo nessa casa? Blá blá blá blá blá...
E foi a tarde toda com essa reclamação. Jair saiu para o bar para não ter que ouvi-la.
- E vê se me compra uma aspirina que eu to morrendo de dor de cabeça!
Tarde da noite, Jair chega um tanto embriagado toma banho e pendura a toalha, porque ele sabe que Marineusa não gosta de toalha molhada jogada no chão do banheiro. Pegou toda a roupa e colocou no cesto da área de serviço, porque ele sabia que Marineusa não gostava de roupa suja espalhada. Secou o chão do banheiro, porque ele sabia que Marineusa odiava que deixasse o chão molhado após o banho. Escovou os dentes, mas por habito. Deitou-se ao lado de sua linda e loira mulher. -Marineusa.
- Jair, Isso lá são horas de se chegar?
Antes que Marineusa proferisse seu noturnos palavrões, Jair a golpeou com o abajur que ganhou de sua mãe. Marineusa caiu na cama desacordada. O abajur quebrou se em seis assimétricos pedaços.
- Ela não gostava mesmo desse abajur.

31 de outubro de 2005