Diário do Verde: Energia Solar

Pesquisas indicam que a demanda por energia no mundo deverá triplicar até o ano de 2050. A matriz energética não renovável atual, que dá ampla atenção ao petróleo e ao carvão já está no seu limite e necessita urgentemente ser substituída, vista a sua contribuição tremendamente negativa para o meio ambiente, em especial, na intensificação do aquecimento global.
Mudar é preciso e para auxiliar nesta árdua questão é que desponta o projeto solar, ou seja, a utilização do calor do Sol como fonte de energia ao ser humano. Neste cenário merece destaque a tecnologia dos painéis fotovoltaicos – que captam a energia luminosa do nosso astro rei e convertem a mesma em energia elétrica ou mecânica e a dos aquecedores – que transformam a energia luminosa em energia térmica. Ainda que a iniciativa represente no momento uma parcela muito pequena da oferta global de energia ela têm crescido vertiginosamente – a capacidade de geração vem aumentando a uma taxa anual de mais de 40% ao ano desde 2000 segundo a Agência Internacional de Energia (IEA) – e a tendência é que se consolide como uma das principais fontes de energia em um futuro não muito distante, em razão do seu grande potencial de produção.
Mas afinal, quais são as vantagens que a energia solar trás para todos nós? São muitas, a saber:
- Energia inesgotável (calcula-se que o Sol ainda nos privilegiará por outros 6 bilhões de anos, ou seja, ele está apenas na metade de sua existência e lançará sobre a Terra, só neste ano, 4000 vezes mais energia que consumiremos);
- Energia limpa (para a geração de energia não são emitidos gases poluentes ou gerado qualquer tipo de resíduo);
- Energia eficiente (as centrais de geração de energia exigem manutenção mínima e as placas voltaicas apresentam vida útil prolongada);
- Energia gratuita (uma vez instalado o sistema de energia solar o morador não precisará mais pagar conta de luz);
- Energia poupadora de recursos (a instalação de cada metro quadrado de coletor solar, em média, evita a inundação de 56 m2 de terras férteis com novas hidrelétricas, permite economizar aproximadamente 55 kg de gás de cozinha por ano, ou 66 litros de óleo diesel por ano, ou ainda, proporcionar uma economia em torno de 215 kg de lenha por ano).
Como qualquer outra fonte de energia a energia proveniente do Sol também tem as suas limitações, em especial no que diz respeito ao seu custo econômico que ainda é elevado em relação as opções tradicionais existentes, entretanto, com o avanço da tecnologia, ele vem caindo consideravelmente e se tornando, aos poucos, mais acessível a população. Além disso um outro fator que não pode ser desconsiderado é a radiação, pois quando o tempo está nublado ou chuvoso a geração de energia fica comprometida, momento em que as baterias entram em ação a fim de suprir a demanda por energia.
Contudo, para a realidade do Brasil, além de uma simples alternativa a energia solar não só pode como deve ser vista como uma solução já que devido ao fato da maior parte do território brasileiro estar localizada relativamente próxima da linha do Equador, o país recebe energia solar correspondente a cerca de 50 mil vezes o seu consumo anual de eletricidade - 1013 MWh (Megawatt-hora). Não dá para ignorar esta oportunidade de tamanha magnitude!
É chegada a hora do nosso país fazer jus a posição de potência natural que é, através da inovação e inteligência, o que inclui o uso da energia solar em escala ampla na matriz energética nacional. Vamos evoluir, por Darwin e para a nossa própria sobrevivência.

COMPARTILHAR:

+1

Diário do Verde: Energia Solar

Pesquisas indicam que a demanda por energia no mundo deverá triplicar até o ano de 2050. A matriz energética não renovável atual, que dá ampla atenção ao petróleo e ao carvão já está no seu limite e necessita urgentemente ser substituída, vista a sua contribuição tremendamente negativa para o meio ambiente, em especial, na intensificação do aquecimento global.
Mudar é preciso e para auxiliar nesta árdua questão é que desponta o projeto solar, ou seja, a utilização do calor do Sol como fonte de energia ao ser humano. Neste cenário merece destaque a tecnologia dos painéis fotovoltaicos – que captam a energia luminosa do nosso astro rei e convertem a mesma em energia elétrica ou mecânica e a dos aquecedores – que transformam a energia luminosa em energia térmica. Ainda que a iniciativa represente no momento uma parcela muito pequena da oferta global de energia ela têm crescido vertiginosamente – a capacidade de geração vem aumentando a uma taxa anual de mais de 40% ao ano desde 2000 segundo a Agência Internacional de Energia (IEA) – e a tendência é que se consolide como uma das principais fontes de energia em um futuro não muito distante, em razão do seu grande potencial de produção.
Mas afinal, quais são as vantagens que a energia solar trás para todos nós? São muitas, a saber:
- Energia inesgotável (calcula-se que o Sol ainda nos privilegiará por outros 6 bilhões de anos, ou seja, ele está apenas na metade de sua existência e lançará sobre a Terra, só neste ano, 4000 vezes mais energia que consumiremos);
- Energia limpa (para a geração de energia não são emitidos gases poluentes ou gerado qualquer tipo de resíduo);
- Energia eficiente (as centrais de geração de energia exigem manutenção mínima e as placas voltaicas apresentam vida útil prolongada);
- Energia gratuita (uma vez instalado o sistema de energia solar o morador não precisará mais pagar conta de luz);
- Energia poupadora de recursos (a instalação de cada metro quadrado de coletor solar, em média, evita a inundação de 56 m2 de terras férteis com novas hidrelétricas, permite economizar aproximadamente 55 kg de gás de cozinha por ano, ou 66 litros de óleo diesel por ano, ou ainda, proporcionar uma economia em torno de 215 kg de lenha por ano).
Como qualquer outra fonte de energia a energia proveniente do Sol também tem as suas limitações, em especial no que diz respeito ao seu custo econômico que ainda é elevado em relação as opções tradicionais existentes, entretanto, com o avanço da tecnologia, ele vem caindo consideravelmente e se tornando, aos poucos, mais acessível a população. Além disso um outro fator que não pode ser desconsiderado é a radiação, pois quando o tempo está nublado ou chuvoso a geração de energia fica comprometida, momento em que as baterias entram em ação a fim de suprir a demanda por energia.
Contudo, para a realidade do Brasil, além de uma simples alternativa a energia solar não só pode como deve ser vista como uma solução já que devido ao fato da maior parte do território brasileiro estar localizada relativamente próxima da linha do Equador, o país recebe energia solar correspondente a cerca de 50 mil vezes o seu consumo anual de eletricidade - 1013 MWh (Megawatt-hora). Não dá para ignorar esta oportunidade de tamanha magnitude!
É chegada a hora do nosso país fazer jus a posição de potência natural que é, através da inovação e inteligência, o que inclui o uso da energia solar em escala ampla na matriz energética nacional. Vamos evoluir, por Darwin e para a nossa própria sobrevivência.