3 reais ainda é caro!!!

A onda de protestos que tomou as ruas de várias cidades nas últimas semanas surtiu efeito. Depois que mais de dez cidades já haviam anunciado a redução da tarifa no transporte público, nesta quarta-feira foi a vez de Rio e São Paulo ouvirem o clamor popular: na capital paulista, o valor voltou para R$ 3,00. E na carioca, para R$ 2,75. Os centavos, no entanto, são muito pouco. Prova disso é que, nesta quinta-feira, milhares de pessoas voltaram às ruas. Por trás dos gritos e dos cartazes erguidos, está o desejo da população de se mostrar um ator relevante nos rumos políticos do país. O Greenpeace apoia e aplaude manifestações pacíficas com esse intuito. Nas grandes cidades, transporte é um aspecto fundamental. A solução ao problema da mobilidade urbana passa por um transporte público acessível e de qualidade. A tarifa é apenas uma parte dessa discussão. Os 20 centavos são apenas o começo. Junte-se a nós e continue nessa jornada por uma cidade para as pessoas. Fonte : http://www.greenpeace.org/brasil/pt/
COMPARTILHAR:

+1

3 reais ainda é caro!!!

A onda de protestos que tomou as ruas de várias cidades nas últimas semanas surtiu efeito. Depois que mais de dez cidades já haviam anunciado a redução da tarifa no transporte público, nesta quarta-feira foi a vez de Rio e São Paulo ouvirem o clamor popular: na capital paulista, o valor voltou para R$ 3,00. E na carioca, para R$ 2,75. Os centavos, no entanto, são muito pouco. Prova disso é que, nesta quinta-feira, milhares de pessoas voltaram às ruas. Por trás dos gritos e dos cartazes erguidos, está o desejo da população de se mostrar um ator relevante nos rumos políticos do país. O Greenpeace apoia e aplaude manifestações pacíficas com esse intuito. Nas grandes cidades, transporte é um aspecto fundamental. A solução ao problema da mobilidade urbana passa por um transporte público acessível e de qualidade. A tarifa é apenas uma parte dessa discussão. Os 20 centavos são apenas o começo. Junte-se a nós e continue nessa jornada por uma cidade para as pessoas. Fonte : http://www.greenpeace.org/brasil/pt/